top of page
Texto 1 - Captopril A descoberta brasileira que revolucionou o tratamento.jpg

Captopril: A descoberta brasileira que revolucionou o tratamento da Hipertensão Arterial

Ana Clara Rodrigues Diniz, Danielle Ferreira de Souza, Emanuelle Vaz Gontijo, Filipe Henrique de Oliveira,

Isabela Duarte Arruda e Paula Augusta Silva Santos

Graduandos do curso de Medicina (UFSJ-CCO)

v.1, n.1, 2023
Setembro de 2023

A hipertensão arterial sistêmica, comumente conhecida como “pressão alta”, é uma doença que atinge uma grande parcela da população brasileira: 32,3% dos adultos e até 71,7% dos idosos acima de 70 anos. O tratamento adequado é essencial para a prevenção de doenças cardiovasculares (que atingem coração e/ou vasos sanguíneos) graves e é realizado por meio de medidas gerais, como baixa ingestão de sódio (presente, por exemplo, no sal de cozinha), controle do peso, prática de exercícios físicos, cessação do tabagismo (hábito de consumir cigarros ou outros produtos que contenham tabaco) e do consumo inadequado de álcool, bem como por meio de medicamentos chamados anti-hipertensivos [1]. Um dos anti-hipertensivos mais utilizados em todo o mundo é o Captopril, um fármaco criado a partir do veneno da serpente jararaca (Bothropis jararaca). 

A jararaca pertence à fauna brasileira e vive em florestas e no cerrado, concentrando-se no sul e no sudeste do país. Em razão do uso medicinal de componentes do seu veneno, a Bothropis jararaca é hoje uma das espécies mais estudadas [2]. Trata-se de uma serpente perigosa, com comprimento médio de 1,20 metros, desenhos pelo corpo que a tornam facilmente camuflada e coloração amarelada na extremidade da cauda, útil para atrair suas presas – rãs, sapos, lagartos e roedores (Figura 1) [3]. 

O pesquisador responsável por descobrir os efeitos de peptídeos (estruturas formadas pela ligação de aminoácidos e geralmente mais simples que as proteínas) existentes no veneno da jararaca sobre a pressão arterial foi o Prof. Dr. Sérgio Henrique Ferreira. Falecido em 2016, foi membro da Academia Brasileira de Ciências e mundialmente premiado pelos avanços no controle da hipertensão arterial obtidos através de seus estudos [4].

Texto 1 - Captopril A descoberta brasileira que revolucionou o tratamento.jpg

Figura 1: A Bothrops jararaca é a espécie produtora do veneno do qual foram isolados componentes com papel redutor na pressão arterial

Fonte: https://www.flickr.com/photos/42956474@N04/4958415096

Para que ocorra a elaboração de um fármaco, o primeiro passo a ser dado pelos pesquisadores envolve a compreensão do processo através do qual determinadas moléculas alcançam e se ligam a receptores celulares, os quais dão o comando para que a célula e suas proteínas exerçam funções específicas [5].

I!!!!!!.png

Figura 2: Estrutura molecular do fármaco Captopril.

Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Captopril.png

O Captopril (Figura 2) foi elaborado após Ferreira perceber que alguns componentes do veneno da jararaca aumentavam, no sangue da vítima, a concentração de uma substância chamada bradicinina, que apresenta efeitos importantes na redução da pressão. Esses componentes do veneno ficaram conhecidos, posteriormente, como fator de potenciação da bradicinina (FPB).

 

A bradicinina é degradada por uma enzima (uma proteína com função de acelerar a velocidade das reações agindo como catalisador) chamada Enzima Conversora de Angiotensina (ECA). Ao ligar-se e impedir o funcionamento da ECA e a degradação da bradicinina, o fármaco elaborado por Ferreira, inspirado no FPB, tinha como consequência final o efeito redutor da pressão arterial, ou hipotensor [6]. 

Outros pesquisadores norte-americanos, Cushman e Ondetti, já estudavam as ações da ECA no organismo e se juntaram a Ferreira para melhor entendimento dos mecanismos de ação do Captopril. Foi constatado que o maior efeito desse medicamento provinha da inibição de um sistema regulador do volume de líquido dentro dos vasos sanguíneos e da pressão arterial, o Sistema Renina Angiotensina Aldosterona (SRAA) (Figura 3) [5].

 

Ao inibir a ação da ECA na substância chamada angiotensina, o Captopril impede que ocorra estreitamento dos vasos (vasoconstrição) e retenção do sódio e da água filtrada pelos rins, dois fatores capazes de aumentar a pressão arterial [7]. À época, a comunidade científica começava a descartar a importância do SRAA no controle da pressão arterial, e as descobertas de Ferreira, Cushman e Ondetti permitiram um melhor entendimento acerca desse sistema e proveu uma excelente terapia para os pacientes hipertensos ou com outras doenças cardiovasculares [5].

1-----.png

Figura 3:  A angiotensina I é convertida pela ECA em angiotensina II, uma substância cujo efeito final é o aumento da pressão arterial. A bradicinina, que tem efeitos na redução da pressão, é inativada pela enzima cininase II, semelhante à ECA. Ao inibir a ação da ECA e da cininase II, o Captopril diminui o efeito da angiotensina II e aumenta o efeito da bradicinina, o que justifica seu efeito hipotensor (diminuição da pressão arterial). ECA = Enzima Conversora de Angiotensina.

Fonte: Dos autores

O Captopril foi introduzido para uso clínico na década de 80 e os estudos subsequentes demonstraram que o medicamento era muito efetivo na redução da pressão arterial, da mortalidade por causas cardiovasculares e na proteção cardíaca e renal, além de representar um custo acessível e baixa ocorrência de efeitos colaterais [8, 9]. 

Atualmente, diversos outros fármacos, originados a partir do Captopril e classificados como Inibidores da Enzima Conversora de Angiotensina – os IECA –, são utilizados pelos hipertensos, como é o caso do Enalapril e do Lisinopril. Para além do controle da hipertensão, esses fármacos também demonstraram-se de grande valor para pacientes que sofreram infarto agudo do miocárdio (infarto do músculo cardíaco) e para pacientes com insuficiência cardíaca (condição na qual o coração não consegue bombear adequadamente o sangue). O uso do Captopril tornou-se muito amplo e contribui significativamente para a prevenção de doenças cardíacas graves e para a qualidade de vida de pacientes hipertensos [10]. 

A ciência brasileira merece ser reconhecida pelas suas contribuições em diversos âmbitos, sendo um deles a medicina moderna. Apesar dos obstáculos ainda existentes para a educação e o desenvolvimento científico no Brasil, excelentes pesquisadores brasileiros têm se dedicado à construção do conhecimento e à elaboração de tecnologias capazes de contribuir para a evolução da qualidade de vida mundial. A hipertensão é uma das doenças mais prevalentes e que resulta em maior mortalidade em todo o mundo, e uma das classes de medicamentos mais usadas para seu controle teve origem a partir de estudos de um pesquisador brasileiro. 

Referências Bibliográficas

[1] Barroso WKS, et al. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial – 2020. Arq Bras Cardiol. 2021;116(3):516-658. 

[2] UFRGS - Jararaca (Bothrops jararaca). Disponível através do link: https://www.ufrgs.br/faunadigitalrs/jararacabothrops-jararaca/. Acesso em: 10 set. 2023.

[3] FIOCRUZ - Jararca. Disponível através do link: https://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/jararaca.htm. Acesso em: 10 set. 2023.

[4] Academia Brasileira de Ciências - Sérgio Henrique Ferreira. Disponível através do link: https://www.abc.org.br/membro/sergio-henrique-ferreira/. Acesso em: 10 set. 2023.

[5] Cushman DW, Ondetti MA. History of the Design of Captopril and Related Inhibitors of Angiotensin Converting Enzyme. Hypertension. 1991;17(4):589-92.

[6] Ferreira SH. A bradykinin-potentiating factor (BPF) present in the venom of Bothrops jararaca. Brit J Pharmacol. 1965;24:163-69. 

[7] Gonsalez SR, Ferrão FM, Souza AM, Lowe J, Morcillo LSL. Atividade inadequada do sistema renina-angiotensina-aldosterona local durante período de alta ingestão de sal: impacto sobre o eixo cardiorrenal. J Bras Nefrol. 2018;40(2):170-78. 

[8] Santello JL, Mion Jr D. Captopril associado à hidroclorotiazida no tratamento da hipertensão leve e moderada. Arq Bras Cardiol. 1998;71(5):713-16.

[9] Franco RJD, et al. Captopril na hipertensão arterial leve e moderada resistente à diureticoterapia. Estudo multicêntrico. Arq Bras Cardiol. 1992;58(3):237-42.

[10] Captopril: Drug Information. UpToDate - 2022. Disponível através do link: https://www.uptodate.com/contents/captopril-drug-information?search=ace%20inhibitor&selectedTitle=1~145&usage_type=panel&display_rank=1&kp_tab=drug_general&source=panel_searc h_result. Acesso em: 10 set. 2023.

bottom of page